Sobre


Mas antes de qualquer coisa... que diabos é fernweh?

Fernweh é uma daquelas lindas palavras, expressões populares e/ou frases que não podem ser traduzidas ao pé da letra para o português.

Essa é uma palavra alemã que significa “sentir saudades de um lugar onde você nunca esteve”. Simplesmente me apaixonei por essa palavra desde a primeira vez que li o seu significado. Essa frase que pode ser confusa para alguns, para mim tem um significado muito importante, por isso resolvi colocar o nome do meu novo projeto de fernweh.

Existe uma frase de Paper Towns (um livro do John Green) que expressa mais ou menos o que eu sinto e quanto o significado dessa palavra faz tanto sentido para mim:

I’m love with cities i’ve never been to and people i’ve never met.

Já tive algumas dezenas de blogs, pois sempre gostei de escrever, mas por algum motivo sempre acabei deixando esses projetados de lado (a grande maioria das vezes por preguiça e outras por insegurança). Porém, escrever é mais do que um passatempo, é um vício, uma parte de mim, sendo assim eu sempre terei um blog (espero que esse seja ó último e que tenha vida longa hahah). Espero que você que esteja lendo esse blog se identifique com algo, se isso acontecer, sinta-se a vontade de voltar mais vezes.

Sobre mim


Olá!

Meu nome é Caroline, mas podem me chamar de Carol, eu insisto. (24/12). De São Paulo, capricorniana com ascendente em peixes. Me considero uma book nerd, whovia, potterhead, nerdfighter e Slytherin com orgulho.

Mais preguiçosa do que gostaria de admitir, porém isso não me impede de fazer as coisas que mais amo: escrever, gravar/editar vídeos, ler, passar horas no Youtube e nas redes sociais.

Algumas das minhas coisas favoritas são: livros, palavras, séries de TV, bastille, desenhar kpop (aYO), pipas, the doctor, harry potter, the fault in our stars, cheiro de livros novos, risadas, lobos, dormir, rabiscar, sherlock e outras milhares de coisas que esqueci de listar.

Também sou antissocial, nada fotogênica, egoísta, solitária, tenho um alto senso de humor negro, falo muito palavrão, odeio pentear meu cabelo, sou chata, drama queen e tenho crises depressivas.

Mas (quase) tudo muda e um sorriso surge quando ouço boa música ou quando assisto Adventure Time.


É, acho que esse é um começo de quem eu sou.